O que é empreendedorismo?

Quando pensamos em “o que é empreendedorismo?”, muitas ideias vêem à cabeça:

  • negócio próprio
  • não ter patrão
  • inovar
  • correr riscos
  • inventar um novo produto
  • liderar equipes
  • ser rico

Apesar delas terem certa relação com o que é empreendedorismo, não acredito que nenhuma dessas represente por si só o conceito. Como veremos mais pra frente, é possível empreender sem ter um negócio próprio e inclusive sem ser tão inovador assim.

No caso, gosto muito da definição que aprendi em Babson (universidade americana reconhecida como a melhor escola de empreendedorismo do mundo):

“Uma forma de pensar e agir, obcecada por oportunidades, com visão holística e liderança, focada em agregar valor

Agora, vamos analisar um pouco mais a fundo cada um dos pontos destacados na definição formal.

O que é empreendedorismo?

Dinheiro é consequência de boas ideias aliadas à uma excelente execução

Pensar e agir

Da mesma maneira que ideias sem execução não valem nada, não adianta termos um empreendedor que sai aplicando ideias na louca. Algumas vezes ele pode até ter sorte das coisas darem certo sem nenhum planejamento, mas se você chegar mais longe, definir seus objetivos de forma clara e montar um plano de ação para alcançá-lo é fundamental.

Por outro lado, quantas vezes vemos ideias que ficam perfeitas no papel e acabam nunca saindo de lá?

Isso gera a pergunta “então como saber qual o limite entre o planejamento e o momento de colocar a mão na massa?”. Pois é, não tem como saber. Definir exatamente esse meio termo é a sua função, caro empreendedor.

Para se aprofundar no tema, recomendo o artigo A importância da estratégia e do planejamento.

Oportunidades

Existem 2 analogias que gosto muito quando pensamos em análise de oportunidades.

Uma delas é que na mesma cidade, a chuva a molha igualmente. Porém, enquanto ela bate e vai embora no concreto, quando cai em solo fértil ela pode gerar excelentes frutos.

Nessa linha, é importante destacar que o empreendedor normalmente tem acesso às mesmas oportunidades que outras pessoas, mas ele se preparou para aproveitá-las de melhor forma.

Outra analogia é sobre as ondas de rádio. Elas estão aí, circulando pelo ar, 24 horas por dia. Porém, sem o instrumento correto (o aparelho de rádio), não conseguimos transformar essas ondas em música.

Na prática, para transformar a informação que você recebe em oportunidade, é essencial que o empreendedor seja um cara sempre curioso, trabalhando para transformar sinais aleatórios em novas oportunidades de negócio.

Tem um vídeo muito bacana e divertido que representa essa realidade, confira: O que é ser empreendedor.

Visão holística e liderança

Apesar da ideia comum do empreendedor visionário, que cria um império sozinho, não sei de absolutamente nenhum empreendedor que não tenha tido companheiros de jornada.

Steve Jobs tinha ao seu lado um dos maiores gênios do século 20, Steve Wozniak. Bill Gates tinha como companheiros inseparáveis seus amigos de Harvard, Paul Allen e Steve Ballmer. E por aí vai, todo empreendedor só alcançou o sucesso devido a uma equipe forte que foi capaz de dar escala à sua visão.

Na prática, qualquer grande projeto leva muito tempo e esforço para ser feito, o que é humanamente impossível fazer sozinho. Por isso, mesmo que você comece sozinho, saiba que em algum momento você precisará exercitar suas características de um líder.

Para se aprofundar nessa linha de raciocínio, recomendo bastante o artigo4 dicas para meros mortais enfrentarem grandes desafios.

Agregar valor

Infelizmente, atualmente essa expressão virou piada graças ao “Rei do Camarote”, que por sinal, também é um empreendedor. Porém, não é por causa do mau uso da expressão que ela tenha perdido a sua importância.

De nada adianta ter a ideia que na sua cabeça é totalmente genial se na prática ela não facilita a vida de outras pessoas.

O teste de fogo do empreendedor é colocar o seu produto no mercado, justamente pois é o momento em que veremos se as pessoas consideram se aquilo agrega valor ou não. No caso, preço é o que você paga, valor é o que você recebe.

Analisando pelo lado do empreendedor, uma das formas mais objetivas de avaliar o valor agregado é justamente se ele está conseguindo gerar lucro naquele negócio. Se as pessoas consideram aquilo algo útil, nada mais justo do que o empreendedor ser devidamente recompen$ado por isso.

Conclusão: Empreendedorismo é uma questão de postura

Repare que apesar de todos esses 4 conceitos poderem ser aplicados em um negócio próprio, não é a única aplicação possível.

Por exemplo, veja o exemplo de empreendedorismo desse atleta que revolucionou o seu esporte:

 
(Link para o vídeo original)

 

Ou então em diversos casos que vemos de comportamentos empreendedores de funcionários, os chamados intraempreendedores. Ou até no governo conseguimos ver excelentes casos de funcionários públicos com comportamento empreendedor, chamados de empreendedores públicos (veja mais aqui).

Moral da história: próxima vez que te perguntarem “O que é empreendedorismo?”, a resposta deve ser “É uma postura. Ter um negócio próprio ou não é um detalhe”.

E você, o que tem feito para ser um considerado um empreendedor?

Abraços,
Millor Machado (empolgado em ajudar empreendedores, independente da área de atuação)

P.S.: Créditos da imagem Shutterstock

Compartilhe:

Deixe seu comentário


*

Restrito